33.4 C
Ilha Solteira
sexta-feira - 17 maio - 2024
HomeCidade“Justiça ausente, Taila presente”, gritam manifestantes

“Justiça ausente, Taila presente”, gritam manifestantes

Douglas Cossi Fagundes
Da Redação

Em protesto realizado no final da tarde de hoje (16), um grupo formado por familiares, amigos e populares pediu justiça por Taila de Souza dos Santos, vítima de feminicídio no último dia 9, em Ilha Solteira.

+ ✅ NOTÍCIAS: Clique e faça parte do canal do Ilhadenoticias no WhatsApp 📲

A técnica de enfermagem, de 25 anos, foi encontrada morta em um dos quartos da casa onde morava com o marido, na Rua N, no bairro Novo Horizonte.

Os manifestantes se reuniram na Praça dos Paiaguás com camisetas e cartazes pedindo Justiça. Algumas pessoas se pronunciaram sobre justiça, impunidade e feminicídio.

Após orarem o Pai Nosso, os manifestantes seguiram em passeata por um trecho da Avenida Brasil Sul acompanhados por vários motociclistas, que seguiram buzinando durante todo o trajeto.

Durante a passeata, os manifestantes gritaram palavras de ordem como: “Justiça ausente, Taila presente!”.

🚨LEIA TAMBÉM🚨

👉CÂMARA: Por unanimidade, vereadores aprovam criação do 13º salário

👉SOLIDARIEDADE: Ilhenses se mobilizam e ações se multiplicam para ajudar vítimas da chuva no Rio Grande do Sul

👉CULTURA: Festival Nacional de MPB voltará a ser realizado este ano

Justiça
O advogado contratado pela família de Taila Souza para atuar como assistente de acusação, Darley Barros Júnior, esteve no protesto.

Ele explicou ao Ilhadenoticias que o assistente de acusação trabalha em conjunto com o promotor e com a delegada “na colheita de provas, buscando informações e dando subsídios para que a Justiça possa esclarecer os fatos”.

Darley informou ainda que atua defendendo os interesses da família da técnica de enfermagem. “Ontem eu informei (ao juiz) que a sociedade ilhense está indignada, está de luto e clama por justiça. E a lei fala que quando há um clamor social, existe a possibilidade de prisão preventiva. Também pedi a prisão preventiva, pois ninguém sabe onde ele está, se ele fugir, ele não vai cumprir a pena e a justiça não será feita”.

O assistente de acusação disse também que aguarda a manifestação do promotor e do juiz sobre o pedido de prisão preventiva de Victor Nogueira Carvalho.

O advogado Conrado de Souza Franco, que apresentou Victor na DDM, deixou o caso. Um novo advogado deve assumir sua defesa.

O crime
Taila de Souza dos Santos foi encontrada morta na noite de quinta-feira (em um quarto que fica nos fundos da casa por um vizinho, que pulou o muro da casa a pedido da sogra da vítima para ver o que estava acontecendo.

Em depoimento à Polícia, a sogra disse que recebeu uma ligação do filho, Victor Nogueira Carvalho, de 24 anos, pedindo que ela chamasse o Resgate do Corpo de Bombeiros, pois acreditava que a vítima estava morta.

Taila estava deitada em um colchão no chão do quarto com sinais de asfixia. Segundo a Polícia, não havia sinais de consumo de medicamentos.

Prisão e soltura
Victor Nogueira Carvalho foi preso em flagrante na manhã de sexta-feira (10), depois de se apresentar na Delegacia de Defesa da Mulher, suspeito de matar a esposa Taila. Mas foi solto no final de semana após passar por audiência de custódia. Durante a audiência, ele negou o crime.

Ao conceder a liberdade provisória, o juiz considerou que “há prova da existência do crime e os indícios suficientes de autoria se encontram indelevelmente demonstrados pelas provas coligidas em solo policial. No entanto, verifico que, considerando a primariedade do custodiado, sua entrega espontânea à autoridade policial, bem como a existência de ocupação lícita, não se encontram presentes nenhum dos requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal”.

Acompanhado de um advogado, Victor se apresentou à Polícia na sexta-feira (10) e foi preso em flagrante suspeito de feminicídio.

De acordo com a Polícia Civil, ele disse que teve um desentendimento com Taila e, durante a briga, ele afirmou que a esposa desmaiou, mas negou que tenha cometido o assassinato.

Na audiência, o juiz considerou o réu primário dele, ter residência fixa e registro em carteira, por isso, não decretou a prisão preventiva.

O Ministério Público recorreu da decisão, mas o pedido não foi acatado. As investigações do caso continuam e a polícia tem 30 dias para concluir o inquérito.

Na sexta-feira (10), ao ilhadenoticias.com, a delegada Carolina Tucunduva disse ouviria mais testemunhas e que pretendia fazer a reconstituição do crime esta semana.

Família pede ajuda
A família de Taila criou uma vaquinha, para arrecadar recursos para cobrir os custos com o funeral e com advogado que atuará no caso.

Para ajudar clique aqui (clique aqui).

 

📲 Siga o ilhadenotícias nas redes sociais: Whatsapp clicando aqui, no Facebook clicando aqui e aqui, no Instagram aqui, no youtube aqui e no twitter aqui

Receba notícias pelo Whatsapp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: 18 99132-5461; 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, informando seu nome

O www.ilhadenoticias.com não autoriza a reprodução parcial ou integral deste texto

Os comentários referentes ao texto são de inteira responsabilidade do seu autor, já que estão diretamente ligados às suas contas nas redes sociais

 

OUTRAS NOTÍCIAS