O mais acessado!

Caso Maria Júlia: MP recorre e pede aumento de pena de ex-namorado

Douglas Cossi Fagundes
Da Redação

O ex-namorado veio de Tremembé para o julgamento, onde está preso desde o crime

 

O Ministério Público recorreu da pena aplicada a Jean Gomes de Menezes Santana, condenado pelo júri popular a 18 anos de prisão, no último dia 24, por matar a ex-namorada Maria Júlia Martins da Silva, de 17 anos, com 35 facadas, em abril de 2018.

O promotor de Ilha Solteira, Vinícius Barboza Scolanzi, informou que o recurso, protocolado no dia seguinte ao resultado do julgamento, é aumentar a pena para 27 anos e 4 meses.

O representante do MP explicou que o júri reconheceu todas as quatro qualificadoras do homicídio: motivo fútil, meio cruel, recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio.

Scolanzi esclareceu ainda que, com base nisso, o juiz aplica a pena, de acordo com entendimento e com os fundamentos dele. Isso porque a lei não fixa critério matemático.

Nesse caso, a pena poderia ser fixada entre 12 e 30 anos, ficando em 18 anos no julgamento do ex-namorado. O promotor considerou a pena baixa e sustentou no recurso que os acréscimos, de cada qualificadora, deveriam ser maiores.

O recurso do MP foi recebido pelo juiz de Ilha Solteira e agora a defesa deverá se manifestar. Depois disso, o processo vai para o Tribunal de Justiça. Lá os desembargadores vão analisar e verificar se aumentam ou não a pena.

Não há prazo para que os desembargadores decidam, mas o trâmite costuma demorar alguns meses, conforme informou o promotor.

Porém, como Jean Gomes está preso, pode ser que o TJ decida com mais rapidez, pois o processo tem prioridade de tramitação. Jean está preso desde 2018 na Penitenciária de Tremembé.

A Defesa de Jean também manifestou que vai recorrer, mas ainda não juntou o recurso com os pedidos. Independentemente do recurso da defesa, o TJ pode reduzir a pena caso entenda que é excessiva.

Já para aumentar a pena de Jean gomes, é obrigatório que o promotor tenha recorrido pedindo o esse aumento, o que já foi feito por Vinícius Scolanzi.


Caso Maria Júlia
Maria Júlia, de 17 anos, foi atacada no dia 9 abril de 2018 por Jean, seu ex-namorado, na esquina da viela onde morava com colegas de faculdade, no Passeio Batalha, na zona Norte de Ilha Solteira.

Ela seguia para o campus II da Unesp, onde cursava Zootecnia, quando foi surpreendida pelo ex-namorado, que a atacou com uma faca. Exame no corpo da vítima apontou 35 facadas.

Jean fugiu de carro levando a faca utilizada no crime. O carro foi encontrado horas depois em uma fazenda, mas ele conseguiu fugir. Jean foi preso pela Polícia Militar dois dias depois, em Pereira Barreto, quando tentava pegar carona.

Na chegada a Ilha Solteira, uma multidão aguardava na frente da Delegacia pedindo por justiça. O ex-namorado acabou confessando o crime.

Maria Júlia foi enterrada em General Salgado, no dia 10 de abril de 2018, na presença de familiares, amigos e colegas da faculdade.


Siga o ilhadenotícias.com no Facebook clicando aqui e aqui, no Instagram aqui, no youtube aqui e no twitter aqui


Receba notícias de Ilha Solteira pelo Whatsapp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: 18 99132-5461; 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, informando seu nome


O www.ilhadenoticias.com não autoriza a reprodução parcial ou integral deste texto

Os comentários postados neste texto são de inteira responsabilidade do seu autor, já que estão diretamente ligados a sua conta no facebook

Google+