ilhadenotícias - #anuncie!
whatsapp

(18) 99132.5461

A saída dos médicos cubanos está comprometendo o atendimento nas Unidades de Saúde de Ilha Solteira?

Sim - 58.9%
Não - 41.1%

Total de Votos: 56
The voting for this poll has ended ligado: 30 Nov 2018 - 00:00

Mulheres são homenageadas na Câmara de Ilha Solteira

Douglas Cossi Fagundes
Da Redação

 

Sete mulheres da comunidade foram homenageadas nesta segunda-feira (16), na Câmara de Ilha Solteira, com a entrega do “Mérito Mulher”.

 

As homenageadas foram escolhidas pelos vereadores. Receberam o mérito Edilva Bandeira (indicada pelo vereador Nilson Trindade Jr.), Eli Catarina Marin de Oliveira (indicada pelo vereador Aílton Vieira de Lima), Mary Borges Alvarenga Teodoro (indicada pelo vereador Ricardo Casagrande), Maria Marlene de Souza (indicada pelo vereador Alberto dos Santos Jr.), Margarida Suwaco Nishida (indicada pela vereadora Thereza Alves da Rocha Oliveira), Michele Perez Viegas (indicada pelo vereador Kléber Rogério Barufi) e Rosângela Araújo de Satelis Cipriano (indicada pelo vereador Docílio José Correa Feitosa).

Todas as homenageadas receberam uma placa alusiva ao “Dia Internacional da Mulher”.


Homenageadas – Edilva Bandeira, que é professora e está à frente de diversos eventos culturais, como a Feira Literária de Ilha Solteira (FLIS) e o “Sarau dos Amigos”, disse que a entrega do “Mérito” significa um reconhecimento ao trabalho que vem desenvolvendo. “Acho muito importante essa homenagem. Já estou na educação há 15 anos desenvolvendo diversos trabalhos, mas o trabalho na Cultura acabou tendo uma visibilidade maior”, disse Edilva.

Outra homenageada, Michele Perez Viegas, uma das responsávei pelo Abrigo de Animais “Recanto Feliz”, disse que o mérito não é só dela, mas de todas que ajudam a manter a entidade. “São pessoas que estão lá sempre, ajudando. E esse pr~emio ajuda a dar visibilidade para o Abrigo”, disse Michele.

Já Maria Marlene, professora e escitora, que acaba de lançar uma coleção de livros infatis, que abordam temas polêmicos, como bullying, drogas na infância, famílias diferentes, assédio sexual e inclusão, disse que ser lembrada por algo que fez, e que realmente ajudou alguém, é gratificante. “Gosto muito der escrever, gosto muito de poesia. Então, para mim, está sendo uma honra, afirmou Maria Marlene.


O www.ilhadenoticias.com não autoriza a reprodução parcial ou integral deste texto

Os comentários postados neste texto são de inteira responsabilidade do seu autor, já que estão diretamente ligados a sua conta no facebook

Google+